"Os homens, para serem verdadeiramente ganhos, precisam ser ganhos pela verdade".

C. H. Spurgeon

A Chamada de Abraão.

Ver comentários Comentar
A Chamada De Abraão.


Deus chamou Abraão do meio de um povo idólatra. Diz a Escritura que Ele mesmo apareceu a Abraão estando ele na casa de seus pais, (At 7. 2-4). Abraão vivia em um mundo corrupto e idólatra e daquele meio Deus o cercou de todas as promessas e pôs-lhe na frente um alvo supremo: ser o pai de muitas nações, e entre estas, uma seria especialmente designada pela presciência divina para ser a representante dos interesses do Altíssimo na terra.

1. A tríplice ordem de Deus a Abraão, (Gn 12. 1). Na chamada de Deus a abraão, há determinações nas quais estão a essência do plano divino para ele.

A primeira foi: "Sai da tua terra", isto é, deus tinha outra terra, fértil e promissora para ele viver. A partida era indefinida e o lugar par onde ele iria era desconhecido por eles. O grande patriarca deveria partir, independente do desconhecimento dos detalhes. Na verdade, o que Deus queria era que Abraão partisse sem olhar para traz, ou sem pensar em retorno. A terra onde habitava seria um transtorno para os planos divinos. Sua saída de Ur dos Caudeus deveria ser para ele um desprendimento completo; uma renúncia total, material, social, e espiritual.

A segunda ordem de Deus foi: "sai-te do meio da tua parentela". Com exceção da sua esposa Sara, ninguém mais da família deveria acompanha-lo naquela peregrinação à terra que Deus lhe mostraria. Mas Abraão, constrangido pela idade de seu velho pai Terá, decidiu levá-lo também. Ainda um sobrinho muito ligado a família, chamado Ló, resolve unir-se ao patriarca na viagem. Esses laços familiares deveriam ter sido evitados para que Abraão e sua esposa não tivessem qualquer impedimento no caminho preparado por Deus.
Viajaram quase 1000 km e chegaram a Harã. Ali o idoso Terá, não pode mais prosseguira jornada. Custou caro a Abraão cortar esses laços familiares. Ele deveria ter obedecido a Deus sem reservas e, então, sua viagem de fé teria êxito.

A terceira exigência divina foi: "Vai para a terra que eu te mostrarei". A terra prometida a Abraão estava muito além de Harã, (Gn 17. 8; At 7. 4). A esta altura aprendemos uma lição preciosa. Quando Deus nos chama nada deverá nos prender a este mundo, porque Ele cuida de tudo.

2. Abraão vai para Harã e Siquem, (Gn 12. 4-8). Abraão acumulou riquezas em Harã, mas o seu coração não estava naquele lugar. Ele decidira fazer toda vontade de Deus e partiu de Harã para Canaã, chegando a Siquem. Seu pai já havia morrido e nada mais o deteria em Harã. Sua fé em Deus lhe deu forças para prosseguir. Em Siquem, o Senhor lhe apareceu, reafirmou-lhe as promessas anteriormente feitas e mostrou-lhe toda terra dos cananeus, a Canaã prometida.

3. Abraão muda de Siquem para Betel, (Gn 12. 8). Foi em Betel, ( que significa "casa de Deus"), que Abraão edificou um altar ao Senhor. Agora, naquelas terras, Abraão sabia que, no tempo próprio, ele as teria como cumprimento das promessas divinas. Betel, daqui para frente, sempre lembrará ao crente um lugar de oração, de encontro com Deus, de decisões importantes na vida espiritual.

seja o primeiro a comentar!

Sejam Bem-vindos ao meu blog:
Sejam livres para comentar as postagens, respeitando as opiniões diferentes da sua, com argumentos relacionado com a mesma. Támbem as críticas construtivas serão bem-vindas, desde que elas estejem livres de:
1) Palavrões
2) Heresias
3) Anonimato, (não me vejo obrigado a publicar qualquer comentáro, em que a pessoa seja anonima, na minha opinião isso é covardia).
No mais aproveitem.
Ivan Cesar S Barboza.
Contato para: eventos, estudos, mensagens e pregações ou somente um bate papo.
Tel: (021) 31551930
e-mail: ivanblackcesar@gmail.com
twitter: http://twitter.com/ivancesarbarboz

Orare e Labutare

"Orare e labutare foram palavras empregadas por Calvino para resumir a sua concepção hermenêutica. Com estes termos ele expressou a necessidade de súplica pela ação iluminadora do Espírito Santo e do estudo diligente do texto e do contexto histórico, como requisitos indispensáveis à interpretação das Escrituras."

Paulo R. B. Anglada

Total de visualizações de página

  © Blogger template 'Perfection' by Ourblogtemplates.com 2008

Back to TOP